Estudo para a redução dos atropelamentos em Lisboa

O Observatório ACP propõe um conjunto de soluções de aplicação rápida e de baixo custo.

Entre 2010 e 2016 morreram 75 pessoas em Lisboa vítimas de atropelamento, a que se somam 270 feridos graves,segundo a contagem reunida pela Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária (ANSR).

A nível nacional, o número de atropelamentos está a crescer dentro das localidades, onde se concentram 80% do total deste tipo de acidentes. E quase 20% dos atropelamentos aconteceu numa passagem sinalizada. Com a tendência de aumento que também se verifica em Lisboa, a maior cidade do País, que regista 24% do número total de mortes por atropelamento, impõe-se um plano para a redução de atropelamentos.

Neste levantamento das 34 localizações mais perigosas efetuado pelo Observatório ACP, foi associado um conjunto de intervenções e soluções técnicas de baixo custo, mas eficazes.


Conheça as 10 alterações propostas no estudo:

  1. Construção de ilhas/refúgios para atravessamento em 2 fases;
  2. Colocação de barreiras de encaminhamento dos peões junto a escolas, hospitais e outros equipamentos;
  3. Criação de percursos pedonais continuos seguros, como as ligações entre paragens de autocarro e escolas;
  4. Reforço efetivo da sinalização;
  5. Substituição da sinalização em mau estado e iluminação das passadeiras;
  6. Seleção criteriosa da sobreelevação de passadeiras;
  7. Instalação de radares associados ao semáforo;
  8. Incorporação de piso antiderrapante "tipo slurry";
  9. Aumento dos tempos de verde sobretudo nos locais recentemente intervencionados e de que resultaram condicionamentos para os ciclos de atravessamento pedonal;
  10. Mais fiscalização do Regulamento de Ocupação de Via Pública aplicado às obras, sobretudo na circulação dos peões.

LEIA o estudo completo


in Revista ACP | Fevereiro 2019

scroll up